Páginas

sábado, agosto 13, 2011

Sinceramente, invejo os loucos, pois eles são mais felizes.




Se você busca a verdadeira salvação, o perdão, o reconhecimento como pessoa, a verdade do mundo e a sinceridade dos pares, faça de uma vez e sem pensar, largue todos os seus bens materiais, e viva como um mendigo, apenas com o estritamente necessário, e para concretizar isso sigamos o nosso lado “normal de ser” e façamos a maior fogueira que já havíamos visto e crememos de uma vez e para todo sempre, a droga que mais corrompe, fere, mata, gera cobiça, inveja, desordem, insegurança, avareza e dependência que já presenciamos.



Sim! Estou falando dele mesmo, o nosso maior adversário, aquele que nos muda interna e externamente... A criação do homem (a nossa criação), o “bom” e rico dinheirinho...

Se você não tem coragem para isso e ainda esta pensando em me chamar de louco, é porque seu caso já é crônico.







Você sabe para que tantos homens (sentido genérico, mas quero dizer homens e mulheres) querem dinheiro e bens materiais? Tudo para justificar sua necessidade de poder, ou seja, para subjugar seu próximo, quando digo próximo, estou falando dos amigos, parentes e inimigos (Claro!)... Para que um carro importando ou uma bela casa se não temos para com quem compartilhar? (compartilhar? Não!!! Mostrar para os outros que podemos ter...)... É o Poder que nos corrompe, o dinheiro não passa de apenas um pedaço de papel, tão frágil que se pode dobrar, rasgar, queimar, pintar e molhar, pois, o que na verdade é o dinheiro, se não, uma promessa de dívida.

Nos primórdios os povos pagavam mercadorias/serviços por mercadorias/serviços, não existia o tão então venerado dinheiro de hoje. O monetário papel não serviria de nada, apenas para limpar a bunda, pois, a função do papel sem importância na falta do macio higiênico é este. Era feito assim: ao invés de se trocar as mercadorias, umas pelas outras, as pessoas trocavam suas mercadorias por essa “promessa de dívida” ou (moeda de troca), que por sua vez, serviria para ser trocada por outras mercadorias... (Blá! Blá! Blá!). A tal moeda de troca só poderia existir, se por traz da mesma existisse alguma reserva preciosa (metais nobres, grãos, especiarias, tecidos ou couro de animais), sem esse controle qualquer um poderia criar suas reservas de dinheiro sem nada por garantir a sua troca, seria um pandemônio, muito dinheiro sem nada por garanti-lo... Hoje o chamaríamos de papel sem valor.







Então, se loucos não dão valor, é porque não são loucos de verdade, apenas se desprenderam do materialismo que nos enraízam a alma...

Você pode não saber, mas você tem preço e pode até ter vendido sua alma... O Homem paga pra nascer, pra viver (a maioria para sobreviver) e paga-se para morrer, depois de morto ainda existe dívidas (seu túmulo)...

Portanto, Enterre seu dinheiro e viva!

Findo-me