Páginas

terça-feira, maio 24, 2011

Jaboatão, Guerra, Chuva e Lágrimas... Chorar? Pra quem...?




Guerra dos Montes Guararapes


Jaboatão dos Guararapes é um município brasileiro do estado de Pernambuco, pertencente à Região Metropolitana do Recife. O município é o segundo mais populoso do estado, 9º do Nordeste e 26º do Brasil. Município escrito em livro da história brasileira, palco da Guerra do Monte dos Guararapes, listado entre uma das três maiores arrecadação do Estado de Pernambuco, cidade localizada entre o Recife e o Cabo de Santo Agostinho, com uma área territorial de 256.073 km², subdividida entre a zona da mata e litoral, tem uma população estimada em 644.699 de habitantes [IBGE/2010].



Sendo este um município estratégico que serve de rota de escoamento do Porto de SUAPE, vem sofrendo muito com as ultimas pancadas de chuva, vale salientar que, este é um problema antigo que passa de gestão em gestão e nada se tem feito para mudar tal quadro. Considerando também, não existir um plano estratégico para melhoria do fluxo de veículos que o circundam e que tem aumentado com o funcionamento de SUAPE, com estradas esburacadas, estreitas e com pontos de alagamento conhecidos, é motivo de grandes reclamações tanto dos moradores, quanto dos transeuntes, e o que se tem feito para solucionar ou minimizar os constantes engarrafamentos no local? Sem falar da falta de sinalização e conservação das calçadas, onde os pedestres vez por outra, arriscam-se nas vias de rodagem.



Nos faz parecer que tal administração está preocupada em apenas maquiagem, pintura de meio-fio e varrição das ruas... Como fica as desobstruções dos canais e tubulações??? Acredito que, como em outras gestões, a execução de tais serviços serão vistos apenas em ano eleitoreiro (uma vez a cada quatro anos)... Enquanto isso, as arrecadações de Impostos são feitas todos os anos, como pode ser isso??? Sim, lembrando que esta administração aumentou o IPTU em mais de 300% (houve um aumento em sua base de cálculo, que gerou essa absurda receita. “Para onde irei??? Para onde vais???”), copiando uma administração de um município de São Paulo, onde encontrou uma brecha na legislação que pode alterar o índice de reajuste de tal imposto, fazendo com que o Imposto sofra anualmente reajustes que ultrapassam o aumento do salário mínimo... (“Se você quer rir? faça-me rir...”)

Como então iremos quitar nossas dívidas??? Já é difícil sobreviver com o pouco que se recebe, ainda mais quando as obrigações são ordenadas por uma gestão que pouco se faz e muito se recebe... (E o Senhor disse: “Venha a nós e AO vosso reino!!!”)...








E a corrida já começou...

Ô Jaboatão!!!
Muda Jaboatão...

Muda???

Sim...!
Em silêncio sofre sem dizer uma palavra.

E recorrer a quem?
A Deus? Todos os dias...

Mas, enquanto os homens que nos representam?
“Dai a Cesar o que é de Cesar...”

Enquanto a Justiça nos enruga a face, burocratizando, em oposição ao imediatismo governamental que corre como uma lebre...
Continuemos acreditando na lenta tartaruga, enquanto muitas lebres cruzam a linha final – pardas... brancas... Mestiças...

Sou como muitos... Sinto um berro preso a garganta, aguardando o dia em que os ouvidos dos justos queiram nos escutar...
Quanto tempo mais...???

Mude!!!

Mude para que um dia meus netos respeitem esse solo, assim como os guerreiros que aqui um dia lutaram e deram sua vida por ele...

Orgulho-me por ti Jaboatão... Só, por ti...